quarta-feira, 26 de maio de 2010

PENTE FINO NA QUADRANTE SUL 04

O retorno da Quadrante Sul começou a ser planejado em 2006, inicialmente em conversas via MSN entre Marcelo Tomazi e Alex Doeppre e, posteriormente, com Denilson Reis na Feira do Livro de Porto Alegre do mesmo ano, durante o primeiro evento Mutação. Três anos depois, após muitas reuniões e debates que definiram mudanças de conteúdo, equipes artísticas e outros aspectos da publicação, a Quadrante Sul 04 foi lançada oficialmente em 09/11/09, na quarta edição do Mutação. Uma corrida contra o tempo antecedeu este lançamento, culminando com a entrega dos arquivos finais da revista à gráfica com apenas uma semana de antecedência.

Uma análise do resultado final da Quadrante Sul é inevitável. Assim, listamos abaixo os erros de editoração que constatamos. Deixamos a cargo da percepção do leitor a detecção de erros mais subjetivos.

Editorial, segundo parágrafo: uso incorreto de crase no trecho final "obviamente relacionada à quadrinhos..."

Expediente: em http://twitter.com/quadrantesul, a barra que antecede "quadrantesul" está invertida.

Página 10, sétimo quadrinho: a camiseta de Cristiano/Alfa está branca.

Os créditos de desenhista nos capítulos 3 e 4 saíram trocados. O capítulo 3 foi desenhado por Roger Medeiros e o 4 por Rodjer Goulart.

Página 14: texto do primeiro quadrinho "Ele sentia-se muito forte, algo similar ao momento em que assumiu o controle total sobre seu hospedeiro humano." repete no terceiro quadro.

Página 16, quarto quadrinho: a fonte da fala de Willian Kadde está diferente, devido a falha no fechamento do arquivo.

Página 17, primeiro quadro: na primeira caixa de texto, falta o ponto final.

Página 34, último quadro: o símbolo do uniforme do Aproveitador está no lado direito do peito (o correto seria no esquerdo).

Página 38: no texto sobre Marcelo Tomazi, escreve-se Winnona Earp, com dois "enes".

O Alfa, por Marcel de Souza (lápis) e Matias Streb (tinta).

Um comentário:

Diego disse...

"Página 14: texto do primeiro quadrinho "Ele sentia-se muito forte, algo similar ao momento em que assumiu o controle total sobre seu hospedeiro humano." repete no terceiro quadro."

Esse erro foi do "bocaberta" do letrista que não percebeu a burrada. Mas um dos editores na revisão modificou a disposição dem um destes quadros e não soube identificar o "dejavu".